Bastonário OET

Caras e Caros Colegas

Neste final de ano quero desejar-vos Boas Festas e um Feliz Ano Novo e que o próximo ano, quer a nível pessoal quer profissional, seja um ano repleto de sucessos.

De ano para ano, temos vindo a dar nota das conquistas que temos conseguido para a classe dos engenheiros técnicos. Se nos dermos ao trabalho de ir ler os editoriais das revistas de há 12 anos atrás, os problemas com que nos confrontávamos eram bem diferentes daqueles que enfrentamos hoje (embora alguns ainda subsistam).

A maior vitória conseguida pela Ordem dos Engenheiros Técnicos foi a consagração do seu direito estatutário de representar os diplomados de todos os graus académicos em engenharia, independentemente se terem sido obtidos nos Politécnicos ou nas Universidades.

Este ano demos início ao processo de resgate da engenharia portuguesa, que tem sido invadida de forma sistemática por outros profissionais sem formação em engenharia e, portanto, impossibilitados de exercer esses atos. Esta é a melhor forma de homenagear todos aqueles que dedicaram vidas inteiras à dignificação de uma profissão com mais de 167 anos. 

Este resgate da Engenharia portuguesa e em particular a que é praticada pelos Engenheiros Técnicos, passa obrigatoriamente pela existência de uma regulação e tutela fortes e determinadas. O objetivo primordial é resumido numa só frase: Não podem existir atos de engenharia que possam ser praticados por pessoas que não Engenheiros Técnicos ou Engenheiros. 

A nossa Ordem existe para regular a atividade dos seus associados e esta regulação assenta obrigatoriamente em três dimensões fundamentais: a defesa da profissão (impedindo pessoas que não sejam engenheiros técnicos ou engenheiros a praticar atos de engenharia), a defesa das boas práticas no exercício da engenharia e a defesa do consumidor. 

A Ordem dos Engenheiros Técnicos continuará a desenvolver todos os esforços e a apoiar os seus associados, para que Portugal e os portugueses possam contar com a dedicação e a competência dos Engenheiros Técnicos.

Saber fazer, fazer bem e à primeira.

 

Augusto Ferreira Guedes

Bastonário